Como fortalecer o ambiente de confiança na sua equipe?

Dentre os vários trabalhos com grupos nas empresas em que passo, confiança é sempre um dos pontos mais desafiadores. A demanda, inicialmente, vem com vários outros nomes: equipe de alta performance, alinhamento de objetivos, melhoria nos processos, cultura de inovação, etc... O grupo conversa, conversa, conversa e no final, geralmente, chega ao mesmo ponto: o necessário é melhorar a confiança entre nós.
Mas afinal, o que me faz confiar em alguém? Segundo Lex Bos, (no livro Confiança, Doação e Gratidão – editora Antroposófica), a confiança entre as pessoas tem como base três pontos fundamentais: Capacidade de Entrega, Compromisso e Intenção.

Vamos falar do primeiro ponto: Capacidade de Entrega. Se você é um excelente profissional de marketing ou um grande especialista em investimentos em debêntures, certamente posso confiar o lançamento de um novo produto ou minhas economias em suas mãos. Mas se você me convidar para subir no avião em que você vai pilotar, sendo que nunca sequer teve uma aula de pilotagem, nem nunca quis tirar brevê, tenha certeza que nem mesmo sua mãe subiria nesse avião. Não dá para confiar em alguém que não tem capacidade técnica para entregar a tarefa que lhe foi designada. Isso parece óbvio, mas às vezes, no trabalho do dia a dia, pessoas assumem tarefas importantes, sem a real capacidade de entregá-las. No final, você fica “na mão” e perde a confiança nesta pessoa.

O segundo fundamento fala de Compromisso. Podemos olhar a própria etimologia da palavra:
“com”/ “promisso”, ou seja, “prometer algo”/ “para alguém”. Quem não se lembra das famosas “promissórias”: um acordo no qual uma pessoa se compromete em honrar uma dívida com outra pessoa no futuro. Quantos compromissos assumimos em nosso dia a dia nas empresas, onde prometemos entregar um trabalho num prazo pré-estabelecido? Quando você cumpre o combinado, deposita uma moeda de confiança na relação com a outra pessoa. Quando você não cumpre o combinado, o que acontece? Lá se foi a confiança por água abaixo...

O terceiro e último ponto trata da Intenção. Esse é o aspecto mais sutil, menos concreto e, geralmente, é nele em que acontecem os maiores deslizes corporativos. Não temos como “medir” a intenção de alguém. A única coisa que podemos é observar sua ação. Quando a intenção de um líder não fica clara, sua equipe fica confusa, brotam as elocubrações e surgem os novos assuntos para a “rádio peão”. Sem uma intenção clara da liderança, a equipe transforma uma “boa intenção” em “imaginação fértil”. Nesse aspecto, cada um pode dar asas a sua imaginação, gerando hipóteses que certamente serão bem diferentes da sua real intenção como líder.

Costumo dizer que o ambiente de um time é como a terra de uma fazenda. Quando não há confiança, essa terra é seca, improdutiva, semelhante a um leito seco de rio, todo rachado e quebradiço. Quando existe confiança entre as pessoas, essa terra torna-se fértil, como a imagem de uma terra que acabou de ser arada e regada, pronta para receber as ideias (sementes) das pessoas que terão grandes chances de brotar e gerar soluções, contribuindo para o crescimento e desenvolvimento do propósito dessa equipe. 

Capacidade, compromisso e intenção – isso gera confiança. E você: o que você pode fazer para aumentar a confiança na sua equipe?

LEANDRO KAO
leandro.kao@ecosocial.com.br
Compartilhe >
< Voltar

Atuação do EcoSocial em Desenvolvimento de Grupos

EcoSocial

Newsletter

Linkedin Facebook